Crónica Pouco Original do Medo

Uma vez o Alexandre O’Neill escreveu uns versos sobre o Medo que são de guardar na algibeira. É um poema em forma de caminho de cabras, delgadinho, onde o sujeito serpenteia muito seguro atrás de um rato. O primeiro verso diz logo ao que vem: O medo vai ter tudo. E vai por ali fora…

This is the excerpt for a featured content post.